O espanhol Alberto Aguilar passou um ano e meio procurando pela filha Patrícia, de 19 anos. Encontrou a jovem desnutrida, no meio da floresta amazônica do Peru, com um bebê de menos de um mês nos braços- sem vacinação e repleto de picadas de insetos.

O pai da filha dela seria o guru de uma seita apocalíptica. Esse mesmo homem teria sido responsável por levar Patrícia para morar no meio da selva.

Ela ficou encarregada de cuidar dos filhos de outras quatro mulheres e passou a viver numa pequena cabana, em condições precárias, em San Martín de Pangoa, um povoado a 600 km de Lima.

A fuga de casa

Patrícia Aguilar fugiu da sua casa na Espanha em janeiro de 2017, pouco depois de fazer 18 anos. Deixou para trás o município de Elche, em Alicante, onde morava com os pais, e cortou todo e qualquer contato com a família.

Ela embarcou para o Peru e começou a viver com Félix Steven Manrique, um peruano de 35 anos que conheceu pela internet quando tinha 16 anos. Ela tinha recebido uma mensagem de Manrique após fazer uma busca na internet para tentar desvendar o significado de um “sonho estranho” que havia tido.

Até ser preso, o peruano, que é técnico eletricista de formação, tinha vários perfis e páginas na internet, onde publicava previsões de que o fim do mundo estava próximo. Ele se apresentava como um eleito, um salvador, um enviado de Deus diante do apocalipse.

Patricia Aguilar: Patricia estava cuidando do bebê de quatro outras mulheres, quando foi encontrada na selva© AFP Patricia estava cuidando do bebê de quatro outras mulheres, quando foi encontrada na selva

O peruano se fazia chamar de “o príncipe” e era líder de uma seita. No YouTube, por exemplo, lançou um canal como o nome: “Gnosis Budismo Profecias Príncipe Venerável Maestro Príncipe Gurdjieff”, onde explicava suas doutrinas apocalípticas.

Ele afirmava que sua missão era repovoar o planeta e ter filhos com o maior número possível de mulheres. Patrícia se tornou uma delas.

‘Especialista em persuasão’

“Steven Manrique se dedicava, por meio das redes sociais, a captar mulheres bem jovens, num trabalho sutil que levou anos”, explicou à BBC News María Teresa Rojas, advogada da associação SOS Desaparecidos, e representante legal da família de Patrícia.

“Patrícia se encontrava em uma situação de vulnerabilidade psicológica. Um tio de quem ela era muito próxima tinha acabado de morrer”, disse. Segundo a advogada, Manrique é “especialista em técnicas de persuasão” e conseguiu manipular a jovem.

Filha de Patricia Aguilar: Félix Steven Manrique se descrevia como um Deus que queria repovoar a Terra tendo filhos com o maior número de mulheres possíveis. Ele teve um bebê com Patricia© AFP Félix Steven Manrique se descrevia como um Deus que queria repovoar a Terra tendo filhos com o maior número de mulheres possíveis. Ele teve um bebê com Patricia

“Primeiro ele se apresentou como um amigo. Depois, como uma espécie de noivo. Quando viu que era o momento adequado, começou a contar a ela que o mundo estava indo muito mal, que haveria muitas guerras, que tudo estava escrito e que ele era uma espécie de Deus que atuaria como juiz no apocalipse”, conta Rojas.

“Aos poucos, com as técnicas usadas por Manrique, Patrícia foi perdendo a cabeça.”

Esse processo se seguiu por dois anos até que, há um ano e meio, a jovem decidiu abandonar a família para seguir esse “guru”.

Os pais de Patrícia imediatamente iniciaram uma busca incansável e decidida para encontrar a jovem. Alberto, o pai, chegou a viajar para o Peru e aparecer em programas de televisão pedindo apoio às autoridades locais.

A família gastou todas as economias na busca e organizou campanhas de arrecadação para reunir mais dinheiro. Graças à ajuda de doadores, puderam colaborar financeiramente com a operação policial que permitiu, na semana passada, que Patricia fosse, finalmente, encontrada na selva do Peru. Manrique foi preso.

‘É um homem muito perigoso’

Os agentes localizaram o guru em Alto Celedín, um povoado no distrito peruano de San Martín de Pangoa, onde ele vivia com duas mulheres – uma delas é a esposa oficial.

Rojas explica que a polícia peruana alugou uma casa contígua a de Manrique. De lá, deram início à operação.

“Graças a isso, souberam que Patrícia estava sozinha com as crianças em algum lugar da selva. Após conseguirem a confissão de uma das mulheres que viviam com Manrique, puderam localizá-la”, explicou a advogada.

Manrique foi detido na quarta-feira (4) da semana passada. Nesta quinta (12), a justiça peruana deve decidir se decreta prisão preventiva ou se liberta o suposto guru.

“Esperamos que ele seja mantido na prisão. É um homem muito perigoso. Temos certeza que, além de Patrícia, ele cooptou outras menores de idade”, afirma Rojas.

A advogada considera que é muito provável que haja provas disso no material apreendido pela polícia durante a operação.

“Steven Manrique tentou engolir dois pen drives no momento da prisão, mas não conseguiu”, conta.

O pai de Patrícia está no Peru. Mas ainda não conseguiu ver a filha nem a neta, nascida no dia 28 de maio em meio a condições de higiene precárias, na mesma cabana onde Patricia foi encontrada.

Tanto a jovem espanhola quanto as mulheres que estavam com o guru da seita no momento da prisão foram levadas a Lima, onde se encontram na companhia de seus filhos. Elas foram submetidas a exames médicos e psicológicos para determinar seu estado de saúde físico e mental.

‘Temos que salvar esse bebê’

Patricia Aguilar: Família teme que lavagem cerebral em Patrícia faça com que ela resista a buscar tratamento psicológico© AFP Família teme que lavagem cerebral em Patrícia faça com que ela resista a buscar tratamento psicológico

Mas a família de Patrícia sabe que não será fácil reconstruir a relação com a filha. Os pais acreditam que os efeitos da lavagem cerebral feita por Manrique persistem.

“Não nos surpreenderia se, num primeiro momento, Patrícia saia em defesa de Steven Manrique. É muito possível que, para ela, os vilões sejam nós e que ela considere normal tudo o que viveu, afinal de contas esse homem se apropriou da vontade dela”, afirma Rojas.

“Quando prenderam (Manrique), uma das mulheres que estavam com ele não hesitou em tirar os próprios sapatos para que ele não tivesse que sair descalço. Elas o consideram um ser superior.”

O grande problema é que Patrícia é maior de idade e ninguém pode obrigá-la a passar por tratamento psicológico para superar esse trauma.

“Se ela defender Steven Manrique com unhas e dentes, poderíamos pedir que fosse declarada incapaz e aí retirariam a guarda da filha dela para entregar à família. Pelo menos temos que salvar esse bebê”, defende Rojas.

Compartilhe:
Carregar mais Artigos Relacionados
Carregar Mais por Redação
Carregar Mais em seita apocalíptica