Há algumas horas, o casal estava junto à amigas de longa data e comemorando. No entanto, o dia que terminaria muito bem ganhou um cenário de terror, com o assassinato do major aposentado do Exército e professor de matemática Paulo Settervall, de 57 anos. Há dois dias, a esposa Elaine Maria do Carmo Setervall, de 45 anos, diz estar “anestesiada e ainda muito emocionada”, tentando entender o motivo da perda do companheiro.

“Ele convidou duas amigas que conhecia há mais de 15 anos, para vir conhecer o estado e então decidimos ir para Bonito. Uma é tenente-coronel e a outra major da escola preparatória para oficias, sendo que uma veio do Rio de Janeiro. Lá em Bonito, tivemos um dia maravilhoso, nós brincamos, passeamos e saímos para jantar e depois aconteceu tudo daquela forma horrível”, relembrou ao G1 esposa.

Na noite de domingo (14), ela conta que subiu para o quarto com o marido, enquanto que as amigas também foram para o quarto onde estavam hospedadas. “Meu marido sempre foi muito discreto, comedido e não fumava perto de ninguém e nem em lugar fechado, não gostava nem de deixar cheiro. Então ele me disse: amor eu vou ali e já volto. Eu já sabia o que era e o deixei, me distraindo com um filme. Depois, olhei e vi que ele tinha olhado o whatsApp pela última vez às 22h56, só que já eram 23h40, então mandei uma mensagem: oi, cadê o senhor?”, contou Elaine.

Sem resposta, Maria do Carmo disse que ligou para ele. “Chamou até o final e na hora imaginei que ele tivesse esquecido o celular dentro do apartamento, mas, de repente, retornou a ligação. A pessoa perguntou quem estava do outro lado da linha, mas, quem se identificou era uma tenente da Polícia Militar.

Ela falou: a senhora está aonde? Eu respondi que estava no hotel e ela então me mandou descer. Fui descendo as escadas, pensando que poderia ser algum problema cardíaco, algo semelhante com o que ele teve há um tempo atrás. Só que fui vendo aquele monte de policiais lá na frente do hotel e eles me noticiaram o pior: que ele tinha acabado de ser assassinado”, lamentou.

As amigas do major também desceram e souberam da triste notícia. “Os policiais verificaram as imagens do hotel. Meu marido estava encostado ali no muro, na parede do hotel e pela câmera mostrou um cara chegando. Eles conversaram um minuto, um minuto e meio e o cara já investiu pra cima dele, tirou uma faca e acertou o coração do meu marido. Depois, soube que o cara estava querendo confusão porque tinha brigado com a esposa, algo assim”, afirmou.

Ainda conforme a esposa, que é professora e advogada, porém não exercia as profissões no momento, Paulo era um excelente marido. “Éramos um casal muito unido e tínhamos um casamento de muito amor, de muita amizade, de muita brincadeira, de muito carinho. Neste momento, não penso e nem sei o que fazer, estou sem chão. Penso agora vou viver para o meu filho, é um homenzinho que tem índole, caráter, ombridade e eu também vi a comoção por ele. Lembro que ele parava para dar conselhos e escutar um aluno, sempre que precisavam. Era um ser humano único, muito amado. Agora, pretendo ser a melhor referência para o nosso filho”, finalizou emocionada.

Major da reserva Paulo Settervall — Foto: Facebook / Reprodução Major da reserva Paulo Settervall — Foto: Facebook / Reprodução

Major da reserva Paulo Settervall — Foto: Facebook / Reprodução

Escondido em casa abandonada

O suspeito de matar a facada o major estava escondido em uma casa abandonada. O crime ocorreu há dois dias e o homem foi flagrado por volta das 3h (de MS), desta terça-feira (16).

“Ele foi preso durante a madrugada e permanece na delegacia de Bonito. Em seguida, vamos verificar vaga e depois ele vai para algum presídio. Durante a tarde, teremos uma coletiva em Campo Grande para esclarecer alguns pontos”, ressaltou ao G1 o delegado Gustavo Henrique Barros, responsável pelas investigações.

Na ocasião, a vítima passava férias com a família, quando foi atingida por um golpe pelo suspeito na porta do hotel, localizado na rua Luiz da Costa Leite. Testemunhas repassaram o nome do possível suspeito e os investigadores iniciaram as diligências. Uma das buscas ocorreu na casa do suspeito, quando a polícia encontrou uma fogueira ainda acesa, com as roupas utilizadas no crime.

Já os familiares do suspeito ressaltaram que ele estava muito nervoso e pediu ajuda de conhecidos para fugir. A polícia então concentrou os esforços em todas as saídas da cidade, quando ele foi encontrado em uma casa abandonada, após 30 horas de trabalho ininterrupto.

O bandido possui antecedentes pelos crimes de ameaça, desacato e tráfico de drogas, sendo preso em 2010 pelo último crime. O caso foi registrado como homicídio qualificado por motivo fútil.

Exército lamentou morte

O Exército divulgou nota nessa segunda (15) lamentando a morte do major da reserva Paulo Settervall. O documento, também assinado pelo Colégio Militar de Campo Grande, diz que o major trabalhou ativamente no local entre 1997 a 2010, atuando na função de professor.

A nota também informa o local e horário do sepultamento. Na mesma data, o Colégio Bionatus publicou nota sobre Settervall, que atuava lecionando matemática na escola. “O mais sincero sentimento de pesar, por ocasião da trágica morte de nosso professor, Paulo Settervall” e se solidariza com familiares e amigos, colocando-se à disposição para prestar apoio, além de desejar alívio e conforto.

Alunos do professor manifestaram-se nas redes sociais. “Hoje o dia amanheceu triste”, escreveu um estudante, enquanto o outro completou, ” O sentimento é que o mundo merecia muito mais tempo do Sette” referindo-se ao major.

Compartilhe:
Carregar mais Artigos Relacionados
Carregar Mais por Redação
Carregar Mais em POLÍCIA

Checar também

Bandidos levam cerca de R$ 230 mil de cofre de agência bancária em Campo Grande

Dois bandidos renderam os funcionários e levaram cerca de R$ 230 mil do cofre de uma agênc…