Com dados sobre atropelamentos de répteis e aves na BR-262, um estudo de pesquisadores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) foi publicado em um dos maiores jornais americanos, o The New York Times. Os estudiosos monitoraram a estrada que liga Campo Grande a Corumbá de 1996 a 2000 e registraram 930 atropelamentos de animais.

Com o título “In Brazil, Animals Cross a Road of No Return” ou “No Brasil, animais atravessam uma estrada sem retorno”, em tradução literal, a matéria do jornal americano publicou o histórico da pesquisa, que registrou o atropelamento de 29 espécies de répteis e 47 espécies de aves.

Segundo a publicação, a rodovia é a mais mortal do mundo para a vida selvagem.

As informações foram levantadas pelo doutor em Ecologia e Conservação Wagner Fischer, pela Engenheira Ambiental Raquel Faria de Godoi e pelo professor da Universidade, Antonio Conceição Paranhos Filho.

 “A BR-262 mantém sua fama inglória como uma ‘estrada para o inferno’ para vidas humanas e selvagens”, destacou Wagner ao portal da UFMS.

Segundo a matéria no jornal americano, o estudo começou quando o doutor Wagner Fischer era graduando e as viagens pela BR-262 despertaram interesse ainda na década 1990. O doutor começou tirando fotos e contando as espécies ao longo da estrada, até que compartilhou os resultados com outros pesquisadores e governantes. “Todos da comunidade científica continuavam me perguntando ‘Quando você vai publicar isso’?”, relembrou o pesquisador. Só 20 anos depois a pesquisa foi publicada e, além do The New York Times, foi noticiada em diversos sites internacionais de divulgação cientifica.

O pesquisador explica que, apesar de os dados terem sido usados como guia pelos gestores governamentais para propostas de intervenção do programa “Estrada Viva: BR 262”, o impacto crônico e de longo prazo continua tanto para a vida selvagem quanto para a segurança na estrada.

“Para os gestores, o principal objetivo deve ser determinar as espécies-alvo de maior preocupação, concentrando-se naquelas vulneráveis ​​à extinção local ou naquelas que representam grandes riscos de acidentes graves”, aponta a pesquisa. O estudo foi inédito e trouxe como diferenciais o primeiro registro de atropelamento de um gavião-pato e, ainda, o primeiro registro geográfico regional da cobra colubrídea Hydrodynastes bicinctus.

O doutor também contou à reportagem que conseguiu evitar o atropelamento de animais durante suas viagens, mas duas aves não tiveram tanta sorte: uma seriema e um periquito. Ele espera que os dados colhidos possam ajudar outros biólogos a avaliar a capacidade destrutiva das estradas. “Ecologistas estão muito preocupados, mas as autoridades apenas fingem preocupação”, disse.

Compartilhe:
Carregar mais Artigos Relacionados
Carregar Mais por Redação
Carregar Mais em Meio Ambiente

Checar também

Aquidauanense Sérgio da Gruta do Lago Azul, conta que local era para dar tiro e fazer churrasco

Cartão-postal de Mato Grosso do Sul e tombada como patrimônio natural, a gruta do Lago do …