O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Operação Lava Jato, recebeu nesta quinta-feira, 3, a visita de dois amigos, o ex-governador da Bahia, e possível plano B na corrida ao Planalto do PT, Jaques Wagner; e a presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann.

Os dois estiveram com o petista durante uma hora na “cela” especial reservada para ele na sede da Polícia Federal em Curitiba – o berço da Lava Jato -, no final da tarde.

Por um acordo entre a família, a defesa e a PF, ficou ajustado que nas quintas-feiras, dia reservado para as visitas de família a hora final poderá ser usada para visitas de amigos autorizadas pelo ex-presidente.

Segundo Gleisi, o ex-presidente disse a ela que está “desconjurado com a situação” de seu isolamento no cárcere da Lava Jato. Gleisi foi a primeira a ver Lula.

Pelo acordo, cada amigo visita o petista individualmente e divide o tempo de forma igual.

Jaques Wagner, o segundo a visitar o petista, disse a jornalistas na saída da PF que Lula está “extremamente indignado com a injustiça praticada contra ele”.

“A esperança dos brasileiros está enjaulada num quarto aqui na Polícia Federal”, disse o ex-governador da Bahia, cotado como possível substituto do ex-presidente para as eleições presidenciais.

Jaques, que provocou protestos de petistas na última terça-feira 1, ao falar sobre alternativas caso Lula não consiga disputar a eleição, minimizou hoje a polêmica. “Vamos com ele (Lula) até o final da linha”.

Questionado por jornalistas sobre as conversas com o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, Gleisi interferiu e disse que “Ciro não é a pauta do PT, nem foi da conversa (com Lula)”.

Compartilhe:
Carregar mais Artigos Relacionados
Carregar Mais por Redação
Carregar Mais em LAVA JATO